sábado, julho 21, 2007

Rebecca Romijn


Se fizesse um filme e tivesse que escolher uma actriz para desempenhar o papel principal teria que escolher esta senhora. Nasceu a 6 de Novembro de 1972 em Berkeley, na Califórnia. Começou a dar nas vistas como modelo até que em 1997 se estreou na televisão ao aparecer na série Friends. A partir daí tem mostrado a sua versatilidade em filmes tão diversos como X-Men, Femme Fatale ou Godsend

Esta mulher até de azul fica bem

quinta-feira, julho 19, 2007

É assim que vai Portugal

As autoridades deste país andam mesmo todas a dormir. Hoje ouvi uma conversa na rua, enquanto esperava o comboio, que mostra o estado em que este país se encontra. Uma senhora que, pelo que percebi, queria abrir um jardim infantil (não sei onde) estava a conversar com uma amiga e a mostrar o seu desagrado com a situação do seu projecto. É que depois de oferecer um lugar cativo durante um ano no Estádio da Luz ao senhor que ia fazer a inspecção, parece que viu o projecto não ser aprovado por irregularidades na construção (menos mal, houve tentativa de suborno mas o senhor ficou com o lugar no estádio e mandou a senhora à... ). E disse ainda que já tinha gasto muito dinheiro para que o projecto fosse rápidamente aprovado na câmara. Quando uma pessoa fala assim abertamente, no meio da rua, sobre estes assuntos então é porque este país já bateu no fundo.

Para quem não sabe...o meu nome é Luis

O portal pimba é um excelente local para encontrar algumas pérolas da música portuguesa. É um site da autoria de Bruno Raposo, que colabora com o Nuno Markl no programa "Laboratolarilolela" justamente com músicas do seu blog. Foi num desses programas que ouvi esta vedeta da canção ligeira que se chama Luis Manuel. Como partilhamos o mesmo nome, esta música serve como apresentação, como sugeriu o Markl durante o programa.

quarta-feira, julho 18, 2007

Trailers dos Filmes que falei

SAY ANYTHING

THE BREAKFAST CLUB

ELIZABETHTOWN

HIGH FIDELITY

SINGLES

José Ibérico Saramago


No passado dia 15, Saramago deu uma entrevista no DN em que defendia a ideia de transformar Portugal numa provincia de Espanha. E o que é melhor é que Espanha podia mudar de nome para Iberia para não ofender o "brio" dos portugueses. A conclusão que eu tiro disto é que a idade é cruel para certas pessoas. Penso que isto não é alzheimer nem sequer Parkinson, é uma doença nova que se pode vir a chamar Saramaginson e que afecta indíviduos que a certa altura da vida receberam um prémio, vivem fora do país de origem, acreditam que o comunismo é viável e que admiram ditadores.

«Já temos a Andaluzia, a Catalunha, o País Basco, a Galiza, Castilla La Mancha e tínhamos Portugal»
Ao ler esta frase não ficam dúvidas de que Saramago fala como se já fosse espanhol. Esta é já uma fase avançada da doença, em que o paciente acredita que pode anexar países dando depois outros nomes. Um caso conhecido foi o de Hitler, que disse para a empregada: "Já temos a Polónia, a Bélgica e a Holanda, agora estamos a pensar na província de França. Se calhar vamos chamar isto de Hitlerlandia um dia".

«Provavelmente [Espanha] teria de mudar de nome e passar a chamar-se Ibéria. Se Espanha ofende os nossos brios, era uma questão a negociar»
E porque não passar a chamar-se Tap? ou Portugália? Era uma questão de negociar.

Saramago disse que os portugueses compreenderiam a mudança, «não é uma cedência nem acabar com um país, continuaria de outra maneira. (...) Não se deixaria de falar, de pensar e sentir em português».
Claro que não é acabar com um país. Se passarmos a ser uma província espanhola faz todo o sentido continuarem a considerar-nos um país. Quem deve ficar contente são os artistas internacionais que cá vêm e começam os espectáculos com "Buenas noches Espana", assim já não são gozados pelos portug... Ibéricos.

Se o Saramago está tão preocupado com o nosso país e com o bem estar dos portugueses porque não começa com coisas mais pequenas, como pedir a integração do Partido Comunista no Partido Socialista ou Bloco de Esquerda? Ou então porque não fica sossegado e calado junto dos seus amigos espanhois em Lanzarote? Para nos desenvolvermos ou recuperarmos da crise a solução é a união com Espanha? Então não é mais fácil os portugueses começarem a ter uma atitude mais dinâmica em vez de andarem a queixar-se e deixarem este país ser governado por corruptos e incompetentes? Se o jornal chinês que deu a notícia de que 50% dos portugueses concorda com esta ideia está a dizer a verdade, então o melhor é que estes 50% se mudem para Espanha. O espaço que eles iriam deixar dava-nos jeito.

terça-feira, julho 17, 2007

Filmes da minha Vida...

Hoje estive a falar com a Joana a propósito de um filme chamado Elizabethtown e acabei por recordar alguns filmes que vi e que nunca mais esqueci. Aqui ficam as imagens e alguns comentários.



Se tivesse que fazer uma lista com os 10 melhores filmes de sempre este estava lá de certeza absoluta.
Cinco jovens estudantes são obrigados a passar um dia de sábado na escola, de castigo, juntos. As suas diferentes personalidades entram em conflito, inicialmente, mas a pouco e pouco vão-se conhecendo melhor e acabam por partilhar uns com os outros os seus medos, segredos e emoções. A música dos Simple Minds "Don't You (Forget About Me)" ficará para sempre associada a este filme. E quando ouvimos esta música no final do filme não podemos deixar de pensar se eles vão continuar amigos no dia seguinte.




Alta Fidelidade aborda a crise de Rob (John Cusack), um jovem de trinta e poucos anos que é dono de uma loja de discos e que tem medo de assumir um compromisso com a sua namorada. Quando ela o deixa para ir viver com outro homem, Rob elabora uma lista com o top 5 de relações fracassadas e decide procurar as suas ex-namoradas para perceber o que correu mal e onde falhou. John Cusack, um dos meus actores preferidos tem aqui uma actuação fantástica.



Os próximos 3 filmes foram realizados por um senhor chamado Cameron Crowe:




O mais antigo é este "Say Anything", uma excelente comédia romântica típica dos anos 80. A forma como a relação de Lloyd e Diane nos é contada por Cameron Crowe é bastante simples e é isso que torna este filme inesquecivel.



Um grupo de amigos que vive no mesmo complexo de apartamentos em Seattle partilha amizade, amor e sonha com o sucesso profissional. Este realizador tem o dom de pegar em momentos simples e banais com que qualquer pessoa se identifica e transformar esse momento num momento inesquecível. Lembra-se do Jerry Mcguire e a cena do "Show me the Money"? Ou no "Almost Famous", quando viajam no autocarro da banda e cantam todos juntos "Tiny Dancer"?



Elizabethtown é um dos melhores filmes que vi nos últimos tempos. Conta a história de Drew, um designer de calçado que causa um prejuízo de 1 bilão de dólares na sua empresa, quando projecta um novo modelo de ténis que é um fracasso. Depois de ser despedido decide suicidar-se, utilizando uma faca e uma bicicleta de ginástica. Quando está prestes a concretizar o seu plano recebe um telefonema da irmã que o informa da morte do pai. Abalado com os acontecimentos recentes, Drew vai então para Elizabethtown para tratar do funeral. Durante a viagem de avião conhece Claire, uma assistente de bordo com uma visão muito positiva da vida. O que se segue depois é uma obra de arte.

Novo negócio

Acho que vou investir dinheiro num radar. Monto-o algures na marginal entre Caxias e Oeiras e fico a viver dos rendimentos...

domingo, julho 15, 2007

Fama

É verdade que costumo fazer o download de algumas séries via torrent mas também é verdade que acabo por comprar o original sempre que uma boa série é editada em dvd. Aconteceu isso com o Prison Break, Extras, The Office, Lost, etc. Com a excepção do Prison Break ou do Heroes, todas as outras séries de qualidade são transmitidas nas madrugadas, outras desaparecem, como foi o caso da 3ª série do Lost que podia ser vista na RTP.

Uma série bastante boa que saiu para venda directa, recentemente, foi a "Fama".
De 1982 a 1987 foi possivel assistir a uma das melhores séries que passaram na TV portuguesa e que tantas boas recordações deixou. Comprei hoje a 1ª série, que está a um preço acessivel de 35€ (na dvdgo.com pode ser comprado por 25.45€), só é pena não ter qualquer extra e o áudio estar apenas disponível em dois canais.



Nenhum dos actores desta série teve uma grande carreira no cinema. A maioria continuou a protagonizar séries de tv, outros desapareceram completamente. Gene Anthony Ray, o Leroy, morreu em 2003. Albert Hague, o prof. Shorofsky, já tinha morrido em 2001.
Lori Singer só participou na primeira série de fama. Saiu para entrar no filme Footloose e a pouco e pouco a sua carreira foi desvanecendo, entrando em alguns filmes com pouca qualidade. Cynthia Gibb, Holly, tem mantido uma carreira regular no cinema, mas quase sempre em filmes secundários.
Lee Curreri, o Bruno, seguiu uma carreira de compositor, aparecendo ocasionalmente em algumas séries de televisão como convidado especial.
Debbie Allen seguiu uma carreira de actriz, quase sempre em tv, e continua a coreografar espectáculos.